4 Coisas que Hollywood me Ensinou sobre Asiáticos

Hollywood e seus estereótipos atacam novamente.

asiáticos

Hollywood ama estereótipos. Afinal, através deles é possível tirar um roteiro fresquinho do rabo a cada 45 minutos e ainda ganhar milhões nas bilheterias em tempo recorde. Já tendo falado sobre estereótipos femininos (duas vezes) e racistas que Hollywood realmente precisa aposentar, sinto que chegou a hora de falar sobre o retrato limitadíssimo que ela pinta de asiáticos. Não chega a ser uma surpresa, na verdade. Hollywood tem tão pouco interesse neles, que dá pra contar nos dedos quantos atores asiáticos tem o privilégio de mostrar a cara e o talento em seus filmes. Já há décadas a prática de contratar atores caucasianos para interpretar personagens asiáticos é corriqueira, sendo o exemplo mais recente a contratação da branquíssima e nada oriental Emma Stone para o papel da descendente de havaianos e chineses Alisson Ng, em Aloha (o diretor do filme, Cameron Crowe, admitiu o erro e pediu desculpas). Isso sem contar os filmes baseados em mangás ou animes que descaradamente contratam atores caucasianos para interpretar asiáticos.

asiáticosNo filme Avatar: A Lenda de Aang, baseada em uma série animada que se passa em uma versão fantasiosa da Ásia, todos os personagens deixaram de ser orientais para serem interpretados por atores caucasianos (com exceção do vilão. Claro.)

 

Na televisão, a coisa é um pouco melhor, com atores como Sandra Oh, Steven Yeun, Aziz Ansari, Hettiene Park, Lucy Liu e Mindy Kaling se destacando em papéis originais e mais complexos. Mas ainda assim deixa muito a desejar. Na maior parte das vezes – tanto em filmes, como em programas de TV – quando atores asiáticos são contratados, é para ser o eterno coadjuvante engraçadinho, ou para personificar estereótipos cansativos e ultrapassados. Com isso em mente, me peguei pensando: o que esses filmes todos me ensinaram sobre asiáticos? E a minha conclusão foi bizarra. Basicamente, Hollywood me ensinou que…

Todos os asiáticos sabem artes marciais

É batata. Especialmente em filmes de aventura e ação, basta aparecer um personagem oriental na história para eu saber que em breve terei que aguentar demonstrações intermináveis e fantasiosas de kung fu, ou karatê ou sei lá o que mais. Se é um filme sério de ação, é provável que aquele personagem oriental esteja ali justamente por causa de suas habilidades em artes marciais. Agora, se é uma comédia, muito provavelmente ele é um estrangeiro meio nerd, desengonçado e sem noção que de repente faz o queixo de todo mundo cair ao demonstrar seus poderes kung-fuianos em um momento extremamente oportuno. No clássico de Kurt Russell Os aventureiros do bairro Proibido, por exemplo, dois funcionários de restaurante e um guia de turismo asiáticos são, inesperadamente, profissas em artes marciais.

asiáticosE praticamente todos os asiáticos no filme tem algum poder místico.

 

É verdade que esse é um estereótipo que vem sendo lentamente questionado, principalmente em seriados de televisão. Mas ainda assim, de vez em quando ele é ressuscitado nas produções mais improváveis.

Todos os velhos asiáticos são sábios

Junto com o Negro Mágico, o Velho Asiático Sábio é um recurso muito usado por roteiristas que morrem de preguiça de pensar em resoluções realistas para suas histórias. O herói precisa de uma epifania para seguir pelo caminho certo? Jogue um velho oriental taciturno para lhe dar algum conselho enigmático e poderoso. Precisa de um remédio rápido, mas não pode ir ao hospital? Calma, é só enfiar na história um curandeiro oriental de bairro capaz de diagnosticar todas as doenças e de criar remédios milagrosos com duas ou três ervas culinárias.

Embora na maioria das vezes o velho sábio tenha pouco destaque, existem filmes que giram inteiramente em torno desses personagens.

asiáticosSim, estou falando com você, sr. Miyagi.

 

O interessante é que, diferente do Negro Mágico, o Velho Asiático Sábio costuma ser meio ou inteiramente cretino, e gosta de fazer o “herói” aprender as coisas do jeito mais penoso e bizarro possível. Tipo, sério, sr. Miyagi, será que era realmente necessário fazer o menino passar o dia lavando e encerando aquele carro só para ensiná-lo a deter golpes de karatê? Isso que o sr. Miyagi não é nem de longe o pior exemplo desse estereótipo.

asiáticosMestre Pai Mei detém esse título.

 

Todos os asiáticos são super inteligentes e nerds (a não ser que eles sejam garotas)

Talvez o estereótipo oriental mais batido de todos, o Japa Nerd se pauta no fato de as culturas orientais valorizarem a educação e o sucesso profissional. Muitas vezes, esses personagens sofrem grande pressão da família para tirarem as melhores notas e serem os mais inteligentes da turma. Como inteligência e dedicação aos estudos é a mesma coisa que ser nerd para Hollywood, esses personagens costumam também ser esquisitos, antissociais, reclusos e ruins em esportes (ou seja, eles seguem os estereótipos hollywoodianos de pessoas nerds). Antigamente, asiáticos da Ásia Oriental eram os clássicos escolhidos para esses papéis, mas hoje em dia está cada vez mais comum colocar indianos para protagonizar cenas de profundo embaraço social.

asiáticosQuase 70% dos indianos nos EUA tem ensino superior. Isso só pode significar que eles são todos nerds, certo? – Hollywood interpretando estatísticas.

 

Curiosamente, está cada vez mais comum o estereótipo oposto deste para garotas asiáticas. Ao invés de esquisitas e super inteligentes, elas são belas e podem ser ou cruéis com o sexo oposto (vide a turminha de asiáticas gostosas de Garotas Malvadas), ou tão ingênuas e/ou irritantes que dá vontade de comer o próprio pé (como a única detenta asiática em Orange is the New Black que sabe falar inglês):

asiáticosOi, machismo!

 

E já que entramos nesse assunto…

Todas as garotas do Sudeste Asiático são lindas e burras (ou prostitutas)

Ok, antes que você pire e vá escrever nos comentários que eu estou viajando, me escuta. Estou falando especificamente de garotas do Sudeste Asiático (e ocasialmente do Subcontinente Indiano). A verdade é que Hollywood é obcecada com a ideia de prostitutas e strippers tailandesas, cambojanas e vietnamitas – uma obsessão que começou na década de 60-70, quando os EUA resolveu meter o bedelho naquela parte do mundo. Programas de TV como Law&Order, por exemplo, são craques em retratar asiáticas nos papéis de prostitutas, escravas sexuais e mail order brides (noivas compradas pela internet).

asiáticosSe é um programa/filme de comédia, é batata que vai ter alguma “situação” ridícula sobre o fato de algumas dessas mulheres serem transexuais.

 

Mas esse não é o único tipo de papel que asiáticas dessa região da Ásia conseguem. É comum encontrar também as asiáticas lindas e burras (como a turminha de asiáticas gostosas de Garotas Malvadas que eu já mencionei, ou mesmo a namorada do Saverin, em A Rede Social), que também mexe com o fetiche que Hollywood tem com o Sudeste Asiático. Ocasionalmente, uma indiana também tem a honra de assumir esse estereótipo.

asiáticosToda a personagem da Cece, de New Girl, gira em torno do fato de ela ser linda, gostosa e não muito esperta.

 

Taí, então, algumas das coisas que eu aprendi com Hollywood sobre os asiáticos. Sorte que o jeito que eles retratam a Ásia em si é um pouco melhor.

asiáticosÉ basicamente um lugar cheio de favelas, elefantes, prisões decadentes, templos, velhos monges sábios, prostitutas e bangalôs na praia, né?

 

Leia também sobre os estereótipos femininos que Hollywood precisa parar de usar; e sobre os estereótipos raciais que Hollywood acha que não são racistas (mas são).