6 Filmes e Documentários com Protagonismo Indígena que Você Precisa Conhecer

A produção cinematográfica feita pelos e sobre os indígenas no Brasil é vasta e a sua divulgação é essencial para acabar com o silenciamento desses povos.

indígena

O último ano foi marcado por mais assassinatos de jovens guarani-kaiowá cometidos por fazendeiros no Mato Grosso do Sul. O conflito entre os guarani-kaiowá e os fazendeiros no estado já dura décadas e é em grande parte motivado pela demora do Executivo e do Judiciário na demarcação das terras indígenas na região. Marginalizados e forçados a condições de vida degradantes, os guarani-kaiowá se vêem sem alternativas a não ser ocupar as terras que são suas por direito.

Os fazendeiros, por sua vez, reagem violentamente, apoiados por uma retórica amplamente disseminada que classifica o indígena como incapaz e um entrave para o progresso. Em 2015, após a morte da liderança indígena Semião Vilhalva Guarani e Kaiowá, de 24 anos, o secretário-executivo do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) Cléber Buzatto denunciou a existência de toda uma articulação dos fazendeiros e lideranças políticas da região para incitar a opinião pública contra os indígenas e, dessa forma, justificar o ataque armado contra eles.

indígena

Em todo o Brasil, os povos indígenas ainda são mortos, marginalizados e destituídos de seus direitos em prol do “progresso”. Os guarani-kayowá “atrapalham” o agronegócio no Mato Grosso do Sul. Os arawetés, os jurunas, os arara, os mundurukus e muitos outros “atrapalham” as mega obras de Belo Monte e Tapajós. Os guarani mbiá “atrapalham” o crescimento urbano em São Paulo.

Nesse processo de colonização e genocídio que já dura mais de quinhentos anos, os povos indígenas do Brasil são roubados não só de suas vidas como também de sua voz. Mesmo o drama dos guarani-kaiowás é pouco reconhecido e comentado pela grande mídia. Mas isso não significa que eles estão quietos. A produção artística e cinematográfica feita tanto pelos como sobre os povos indígenas no Brasil é vasta e a sua divulgação é essencial para acabar com o silenciamento que eles sofrem no país.

Pensando nisso, separei aqui seis documentários que você precisa conhecer com protagonismo indígena. (Aproveite e conheça também a Yandê – a primeira rádio indígena online do Brasil!).

À Sombra de Um Delírio Verde

indígena

Dirigido por An Baccaert, Cristiano Navarro, Nicola Mu, À Sombra de um Delírio Verde trata da exploração desumana de indígenas Guarani Kaiowá do Mato Grosso do Sul em plantações de cana.

Sinopse: Expulsos pelo contínuo processo de colonização, mais de 40 mil Guarani Kaiowá vivem hoje em menos de 1% de seu território original. Sobre suas terras encontram-se milhares de hectares de cana-de-açúcar plantados por multinacionais que, juntamente com governantes, apresentam o etanol para o mundo como o combustível “limpo” e ecologicamente correto. Sem terra e sem floresta, os Guarani Kaiowá convivem há anos com uma epidemia de desnutrição que atinge suas crianças. Sem alternativas de subsistência, adultos e adolescentes são explorados nos canaviais em exaustivas jornadas de trabalho. Na linha de produção do combustível limpo são constantes as autuações feitas pelo Ministério Público do Trabalho que encontram nas usinas trabalho infantil e trabalho escravo. Em meio ao delírio da febre do ouro verde (como é chamada a cana-de-açúcar), as lideranças indígenas que enfrentam o poder que se impõe muitas vezes encontram como destino a morte encomendada por fazendeiros.

Disponível no Vimeo e no YouTube.

Flor Brilhante e as Cicatrizes da Pedra

Documentário de curta-metragem de estreia da poeta e documentarista Jade Rainho, Flor Brilhante e as Cicatrizes da Pedra conta a história de uma família de rezadores Guarani-Kaiowá de Dourados-MS, que há 40 anos vive violações de direitos ambientais e humanos devido a mineração em terras indígenas. Flor Brilhante é a matriarca dessa família, que tenta sobreviver preservando conhecimentos e hábitos da cultura dos antigos, enquanto convivem com os efeitos e mazelas causados pelas explosões continuas de uma usina de asfalto. O documentário foi uma realização independente e colaborativa, como um meio de conceder à família voz para contar sua história e canais para trazê-la à público. Disponível também no Vimeo.

A Nação que Não Esperou por Deus

Durante a gravação do seu “Brava Gente Brasileira”, em 1999, a diretora Lucia Murat contou com a participação dos índios Kadiwéu, que vivem no Mato Grosso do Sul. Em 2013, a diretora retorna a essa tribo para realizar o documentário “A Nação Que Não Esperou Por Deus“. Quinze anos depois, o documentário procura mostrar as mudanças ocorridas na aldeia – incluindo luz elétrica, televisão e igrejas evangélicas – e a luta pela demarcação de suas terras.

As Hiper Mulheres

indígena

As Hiper Mulheres é um filme que mistura documentário e ficção e foi premiado em importantes festivais de cinema tanto no Brasil como no exterior. A história se desenrola quando um velho índio da tribo Kuikuro pede que a comunidade realize o Jamurikumalu para sua esposa doente – um famoso ritual de canto feito apenas pelas mulheres do grupo.

O filme faz parte do projeto Vídeo nas Aldeias, criado por Vincent Carelli para introduzir a produção cinematográfica nas aldeias indígenas brasileiras. Dessa forma, As Hiper Mulheres foi filmado pelos próprios Kuikuros, com direção dos cineastas Takumã Kuikuro e Leonardo Sette, além do antropólogo Carlos Fausto. Disponível no Netflix.

500 Almas

indígena

Uma mistura de ficção e documentário, 500 Almas fala sobre a cultura milenar dos índios guatós, do pantanal mato-grossense. Dizimados por bandeirantes paulistas no século XVIII, gripe, tuberculose e varíola, eles foram considerados extintos por mais de quarenta anos, até serem redescobertos em bairros pobres de Corumbá.

Terra Vermelha

Nesta ficção do cineasta ítalo-chileno-argentino Marco Bechis, o suicídio de duas meninas Guarani-Kaiowá desperta a comunidade para a necessidade de resgatar suas próprias origens, perdidas pela interferência do homem branco. Um dos motivos do desaparecimento gradual da cultura reside no conflito gerado pela disputa de terras entre a comunidade indígena e os fazendeiros da região.

Leia também Povos Indígenas no Brasil – 500 Anos de Massacre.